LULOFASCISMO


Inicio enumerando algumas características que os estudos de teoria do Estado apontam para o reconhecimento do fascismo, como um tipo possível de Estado, sempre adaptado, quando existente, às circunstâncias de tempo e lugar. São elas:

1)      Existência de um líder carismático
2)      Existência de organizações, partidária e sindical, obedientes ao líder carismático
3)      Sociedade ou democracia de massas
4)      Anulação da autonomia dos entes intermediários entre o indivíduo e o Estado
5)      Conluio do Estado com o grande capital privado
6)      Incremento do nacional-estatismo na economia
7)      Construção de narrativa cultural do politicamente correto para o regime
8)      Ditadura política, com a supressão das liberdades democráticas 
  
Se acrescentarmos o racismo a estas características teremos a forma geral do nazismo. E se alterarmos o item cinco acima para a coletivização ou estatização dos meios de produção, teremos a forma geral do comunismo.

Ao acompanhar o cenário político brasileiro desde os anos 60, não tenho dúvidas de que podemos reconhecer a presença deste fenômeno que estou chamando de lulofascismo. Isto porque, à exceção do item oitavo das características gerais do fascismo acima listadas, todas as demais se encontraram presentes ao tempo do lulopetismo no poder.

Todavia, vou deixar à argúcia do eventual leitor, enquadrar a realidade dos fatos da vida política nacional, especialmente de janeiro 2003 a abril de 2016, nas características gerais do fascismo, acima mencionadas.


Finalizo afirmando que o lulofascismo no poder, agoniza. Começou a ser contestado pelo povo nas manifestações de junho de 2013, sobreviveu na eleição presidencial de 2014 e, com a previsível aprovação do impeachment da atual presidente, exercerá, apenas, o seu legítimo direito de espernear!

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

30 anos da Constituição de 1988

OS QUATORZE PRINCÍPIOS DO ART. 1º DA CONSTITUIÇÃO FEDERAL DE 1988

POEMA PARA SÍLVIA!