NOVA ERA !



            Uma nova era surge com a Internet, o WWW World Wide Web em abril de 1993, a internet das coisas, a impressora 3D, a robotização, o Big Data, a inteligência artificial, a energia renovável com o barateamento das placas fotovoltaicas, a plataforma blockchain e as criptomoedas, a exemplo do Bitcoin, a sociedade do compartilhamento a exemplo do AirBnb, a economia digital e o e-commerce, a indústria 4.0, o smartphone, verdadeiro computador de mão ao alcance de quase todo mundo, a comunicação em tempo real através das mídias sociais, vídeos e lives!

            Estes elementos da nova era constituem a base material da nossa sociedade capitalista atual, sociedade em rede, informacional, um capitalismo global, de economia digital e de conhecimento, de empresas transnacionais que podem operar vinte e quatro horas ininterruptas, buscando, entre os países, as vantagens comparativas mais adequadas para comprar os seus insumos, produzir as suas partes, montar os seus produtos, transportá-los, comercializá-los e atender aos seus consumidores.

            Por outro lado, a quantas anda o nosso sistema decisório e a nossa mentalidade político-jurídica? Defasados, atrasados, distanciados da realidade material da sociedade, desajustados em relação à nova era, com dificuldades de compreendê-la, reconhecê-la e assimilá-la, quase sem capacidade de ajustar-se a ela e de mentalmente lhe corresponder, de fazer com que as mentes entrem em sintonia com esta nova era.

            Destarte, a sabedora popular sintetiza essa defasagem entre a situação real e a situação mental com expressões do tipo: a ficha não caiu, a ficha está demorando a cair, a ficha não está caindo, não caiu a ficha!

            Nessa linha, um exemplo ilustra bem este atraso mental em relação à mudança da condição material.

             Conta-se que um sapateiro fecha a porta da sua sapataria e entra numa fábrica com a intenção de poupar e abrir uma nova sapataria, assim que as condições melhorem. O sapateiro é, agora, materialmente um operário de fábrica e, mentalmente, um sapateiro autônomo. Há uma não correspondência entre a sua situação material e a sua situação mental. Ocorre que o tempo passa e não havendo melhora, ele desiste de ser um sapateiro autônomo e adere ao sindicato dos operários. Nesta hora em que ele adere ao sindicato, torna-se, também, mentalmente operário, estabelecendo uma verdadeira correspondência entre a sua situação material e a sua situação mental.

            Este exemplo mostra que a condição mental demora a ajustar-se à condição material. Esta caminha mais depressa, muda mais rapidamente, como vemos com a revolução digital e o capitalismo de conhecimento em relação ao nosso sistema decisório e a mentalidade dos nossos políticos, ainda presos à mentalidade pré-internet, aos paradigmas físicos, territoriais, em um mundo que caminha para a democracia direta digital, virtual; haja vista, o papel do WhatsApp nas últimas eleições.

            Finalizo com o constitucionalista português José Joaquim Gomes Canotilho: “...os juristas precisam elaborar os equivalentes jurídicos da democracia eletrônica” ( “Brancosos” e Interconstitucionalidade, Edições Almedina SA. 1º. edição, Março, 2006)

            NOTA. Se o eventual leitor quiser aprofundar-se, convido-o à leitura do meu livro “Internetismo/Internetism”, disponível gratuitamente na página “Internetism Book” do Facebook.

Comentários

14\06\38 disse…
Você eh ÚNICO!
14\06\38 disse…
Estas no meu Facebook ...
14\06\38 disse…
Celina Theresa sua fã

Postagens mais visitadas deste blog

BOLSONARO, SEM SURPRESA!

BOLSONARO

OS QUATORZE PRINCÍPIOS DO ART. 1º DA CONSTITUIÇÃO FEDERAL DE 1988