MARINA SILVA JÁ COMEÇA A GOVERNAR

Assisti a todo o evento de filiação da Senadora Marina Silva no PV. Ouvi todos os discursos e acompanhei a entrevista que ela concedeu à imprensa. Há, apenas, uma semana, domingo passado.

E ela já começou a governar. Explico-me.

Segundo o professor Charles Lindblom, da Yale University, nos EUA, em seu livro traduzido para o Brasil em 1976, publicado pela Zahar Editor e intitulado “Política e Mercado”, podemos reduzir toda a complexidade da vida em sociedade a três grandes tópicos: autoridade, troca e persuasão.

Vamos então por partes.

Primeiramente, conto que ouvi Marina Silva dizer, no dia da filiação ao PV, que tentara convencer o governo de que a questão ambiental, do desenvolvimento sustentável, é um antecedente lógico de tudo o mais, e que, em decorrência, deveria ser tratado transversalmente pelo governo, envolvendo todos os ministérios. E, que não conseguira. Disse ainda que consciência ecológica estava mais desenvolvida na sociedade do que nos partidos políticos, a exceção, claro, do Partido Verde, pois esta é a sua razão de ser.

Em segundo lugar, comento o que constatei pelos jornais.

Logo no dia seguinte, o Presidente, na undécima hora, ou como se diz também, na vigésima quinta hora, mandou destinar dinheiro vindo do Pré-Sal ao meio ambiente. Sem dúvida foi o primeiro efeito Marina. Filiação ao PV, entrevista na Veja, a força dela forçou-o. Que bom, seu primeiro ato de governo, ainda sem assumir, indireto, decorrente do medo do Presidente de que as críticas se avolumem.

Depois foram os discursos dos candidatos. Todos incluíram a questão do meio ambiente e da economia sustentável. Foram Dilma, Ciro e Aécio, que inclusive sancionou o novo Código Florestal de Minas. Não me lembro de ter lido algum comentário do Serra. Até agora.

E ainda, li vários analistas e repórteres referirem-se ao efeito Marina, ao fator Marina, etc.

Vale a pena reproduzir o que o professor emérito da USP, José Arthur Giannotti, escreveu à pág 3 do Caderno Mais! da Folha de São Paulo deste domingo, véspera do dia da Independência:

“... veio a doce Marina Silva. Sua presença já promete uma renovação possível, pode tornar mais higiênico nosso jogo político. ... sua atuação mobiliza novos atores, eleva o debate político, tende a reduzir os golpes baixos, e a demarcar regras e personagens”.

E a continuação que logo segue é a que ratifica o título deste texto. Afirma o professor Giannotti: “Se fizer uma campanha de alto nível e inovadora, coloca de vez a problemática do desenvolvimento sustentável na agenda de qualquer governo que resulte da eleição”.

Hora de voltar aos três tópicos do professor Lindblom: autoridade, troca e persuasão.

Marina Silva já começa a governar porque, em uma semana, já persuadiu o Presidente a colocar recursos do pré-sal na proteção ambiental, já persuadiu os demais candidatos presidenciáveis a estudarem o tema e a refazerem seus planos e discursos e já reforçou na mídia a importância do desenvolvimento sustentável. Como conseqüência, amplia o nível de consciência do povo em geral, ao mesmo tempo em que estimula o trabalho de todas as ONGs da área e das empresas que já atuam segundo um critério econômico e socioambiental.

Portanto, nesta primeira semana de PV, quanto à persuasão, no âmbito da política, Marina Silva governou.

Comentários

Francisco Petros disse…
Prof. Peixoto:

Estas suas notas são muito interessantes. Quiçá seja proféticas. Marina é uma candidata muito viável. Se incorporar um discurso abrangente e consistente há de ganhar muitos votos.
Renato Chiappim disse…
Interessante ponto de vista professor, oxalá esta influência se verifique por mais vezes e comece a atingir não só o governo, mas diversos setores da sociedade.

A Senadora Marina Silva hoje atinge um status diferenciado em relação à política nacional. É, reconhecidamente, uma sábia na questão ambiental e sua palavra, enfim, ganha o peso merecido.

Aguardemos os próximos acontecimentos, esperando que, a cada dia, tenhamos mais boas novas.

Postagens mais visitadas deste blog

30 anos da Constituição de 1988

OS QUATORZE PRINCÍPIOS DO ART. 1º DA CONSTITUIÇÃO FEDERAL DE 1988

POEMA PARA SÍLVIA!