JOSÉ DIRCEU



            Acabo de ler a entrevista de José Dirceu à Monica Bergamo nas páginas A6 e A7 da Folha de São Paulo de hoje, dia 20 de abril de 2018. Cinco trechos me chamaram atenção. Vou registrá-los. Mas, antes, quero dizer que conheci o Zé Dirceu em 1965, quando ele foi meu calouro na Faculdade de Direito da PUCSP e pudemos conversar várias vezes antes dele ser preso em 1968, no Congresso da UNE, em Ibiúna. Depois da anistia em 1979 o acaso proporcionou alguns encontros entre nós. Vou comentá-los também porque penso haver coerência na trajetória deste calouro que ganhou poder, dinheiro e fama. Embora, ontem, o TRF-4 tenha mantido a condenação de Dirceu a 30 anos e 9 meses de prisão.

            Pertencemos à mesma geração. Sou de dezembro de 44 e ele do meio de 45. Os anos 60 foram efervescentes. Fidel toma o poder em 59. Kennedy é assassinado em novembro de 1963. A guerra do Vietnã se intensifica com Johnson, a República Dominicana é invadida. No Brasil, depois dos 50 anos em 5 de Juscelino, Jânio renuncia em 61, o parlamentarismo é aprovado, Jango toma posse, o plebiscito lhe devolve a presidência, há intensa campanha pelas reformas de base, os militares tomam o poder em 64, modernizam o país, em 13 de dezembro de 1968 instalam uma ditadura com a edição do Ato Institucional n.5 e reina a paz dos cemitérios até o início da redemocratização do país. Tudo isso se passa no contexto da guerra fria entre EUA e União Soviética. Esta só se dissolveu em 1991, após a queda do muro de Berlim em 1989.

            Éramos jovens, bombardeados por intensa campanha cultural ideológica, de um lado o mundo livre, capitalista, de outro lado, o comunista em suas diversas linhas, a soviética, a chinesa maoísta, a albanesa, a cubana, a trotskista, para ficar nas mais conhecidas. A Igreja Católica, no maior país católico do mundo, condenava o comunismo ateu e o capitalismo “intrinsecamente mau”. E atuava através da Ação Católica, seguida pela Ação Popular, desembocado na Teologia da Libertação e nas Comunidades Eclesiais de Base. Os evangélicos ainda não eram relevantes. Este o contexto em “apertadíssima síntese”, como dizem os advogados!

            Em 1966, meu colega de classe Luiz Gonzaga da Rosa Travassos era o presidente da União Estadual dos Estudantes. A sua sucessão não foi pacífica e criaram-se “duas” UEEs, uma da Ação Popular, com a Catarina Melloni presidente e a outra, da Aliança Libertadora Nacional, uma dissidência do Partido Comunista do Brasil, o famoso PCB ou “partidão”, cabendo a José Dirceu a presidência desta. Aí ele se torna um líder estudantil. Mas tudo termina em 1968, com a prisão de todos em Ibiúna, onde se pretendeu realizar o congresso da União Nacional dos Estudantes.

            Abro um parêntese. O francês Roger Garaudy escreveu que os militantes marxistas viviam as três virtudes teologais dos cristãos: fé no determinismo histórico, esperança no advento do comunismo e caridade, entregando-se de corpo e alma ao partido, cumprindo todos os mandamentos e exigências do líder.

            E agora eu cito Dirceu, respondendo à 17ª. pergunta: “Eu fiz da minha vida praticamente o Lula. E me mantive leal a ele.” Entregou-se ao chefe do partido. E continua: “eu sempre achei que a obra do Lula, a liderança dele, o que ele fez pelo país, compensava qualquer outra coisa”. Uma identificação de pasmar, pois aliena-se no chefe!  Agora cito o fim da resposta à 33ª. pergunta: “Eu tenho confiança de que o fio da história do Brasil não é o fio das forças de direita. O fio da história do Brasil é o fio que nós representamos”. Ou seja, a lei da história não é o imponderável. A história tem um sentido, um fio que eles representam como vanguarda da classe proletária, que um dia derrubará a burguesia e o capitalismo, uma mera questão de tempo. Ainda, a revelar um homem que se alimenta da esperança, diz ao final da 17ª. pergunta: “Mas sempre tenho a ideia de que, se souber levar a prisão, ela pode se transformar numa melhora para você mesmo. De estudo, de pesquisa, de reflexão.”

            Quanto aos ilícitos diz, respondendo à 18ª. pergunta: “o que eu errei? Na minha relação com o lobista... .Ele reformou o imóvel. Eu não paguei. Foi um erro meu. Eu não poderia ter estabelecido essa relação. ... Foi uma relação indevida. Admito. Mas não criminosa.” Ainda, respondendo à 21ª. pergunta: “Eu não deveria ter feito consultoria. Ela cria um campo nebuloso entre meus interesses como consultor e o interesse público”.

            Apenas três comentários, para finalizar. Em 1979 encontrei o Dirceu na Assembleia Legislativa de São Paulo. Aí ele me disse: “Marcos, vou entrar neste novo partido porque assim a gente sobe ao poder juntos”. Chamou-me atenção a ambição de poder como motivação.

            O segundo, no dia do enterro do jornalista Claudio Abramo, Dirceu disse ao Lula: “o Marcos é meu amigo da faculdade e é a pessoa que mais entende de habitação popular no país”. Incontinenti, Lula me diz: “Marcos, entra no PT através do Zé Dirceu”. Mas, ao nos despedirmos, vi o Lula ir ao rosto da mulher do Dirceu, pegar os óculos escuros dela e colocar nele próprio. Tirou, olhou, colocou nele novamente. Dirceu, mais do que depressa disse ao Lula: “Fique com os óculos”. A mulher do Zé permaneceu calada. Lula entrou no carro que o levara e, vestindo os óculos da mulher do correligionário submisso, pôs a cabeça para fora da janela e acenou para nós. Fiquei chocado com a postura subserviente daquele que se mostrara um corajoso líder estudantil e, obviamente, não aceitei o convite formulado.

            O terceiro comentário a fazer foi no Palácio dos Bandeirantes, enquanto estávamos aguardando a fila para cumprimentar os parentes de André Franco Montoro, velado no saguão da entrada: “Marcos, aprendi a ganhar dinheiro no capitalismo”. Na hora não entendi o porquê desta fala. Só muito depois.

            Como dizia Sartre, “a responsabilidade é individual, não é possível transferir”.  Bem, somos da mesma geração e me realizei no magistério universitário, um trabalho de formiguinha!


           
           
           

Comentários

Marcelo Cunha disse…
Creio que a ideologia inicial era boa, todavia o poder e a facilidade do sistema induz as práticas ilícitas conduzindo seus dirigentes a verdadeiras armadilhas que resulta na prisão e na desmoralização da pessoa. A política em si é cativante e prazerosa o dificil e mater a ética e a moral dos bons costumes em busca de um ideal conservador em prol da sociedade.

Postagens mais visitadas deste blog

OS QUATORZE PRINCÍPIOS DO ART. 1º DA CONSTITUIÇÃO FEDERAL DE 1988

BOLSONARO, SEM SURPRESA!

POLÍTICA: MINHAS POSIÇÕES